blog > Você sabe de onde vêm as pedras das joias contemporâneas que você usa?

31 Janeiro, 2020

Você sabe de onde vêm as pedras das joias contemporâneas que você usa?

Você sabe de onde vêm as pedras das joias contemporâneas que você usa?

Conhecido por sua grandeza e riqueza, o Brasil é um dos países que possui maior abundância e que mais produz pedras preciosas em todo o mundo. Com garimpos muito numerosos e famosos, todo o território se destaca internacionalmente pela qualidade, quantidade e variedade de sua produção, principalmente de esmeraldas, ametistas, ágatas e citrinos.

O principal motivo que faz do Brasil um local tão rico nessas gemas é o fato de toda a sua extensão territorial ser repleta de superfícies de rochas pré-cambrianas, com vários cortes de pegmatitos e rochas metamórficas, que, quando extraídas do solo, tratadas e lapidadas, dão origem às pedras preciosas. 


Desde a década de 80, a esmeralda tem sido bastante encontrada em todo o país, o que permitiu que o Brasil, e principalmente o município de Carnaíba, na Bahia, se consolidasse, há quase 40 anos, como um dos maiores fornecedores dessa pedra. Encontrada em tons de verde vivo, e em sobretons que vão do amarelo ao azulado, a esmeralda era muito usada por Cleópatra, que acreditava encontrar nela a eterna beleza de Vênus, além de ser considerada pelos romanos como “a pedra do amor”, sendo um símbolo de fidelidade e confiabilidade. Vale dizer que, quanto mais transparente, de cor intensa e com menos inclusões, mais valiosa a esmeralda é.

Assim como a esmeralda, a ametista também traz ao Brasil o título de maior produtor da espécie de gema, sendo encontrada em grande quantidade na região sul do país. Utilizada pelo homem há mais de 25 mil anos, a ametista é a pedra preciosa mais antiga de que se tem registro. Por conta de sua grande beleza, que pode ser ressaltada com a lapidação adequada, e preço acessível, a ametista é uma das pedras mais populares em todo o mundo. A gema é encontrada na cor violeta, com nuances avermelhadas ou azuladas e a intensidade do tom púrpura a faz ser ainda mais valiosa.


Na região sul, também há grande abundância de citrino, conhecido como “irmão da ametista”. Encontrado em tons variados, como laranja, amarelo, castanho amarelado, vermelho amarronzado e conhaque (conhecido também como Citrino Rio Grande), o primor na lapidação do citrino realça ainda mais sua beleza e singularidade.

Descoberta em jazidas na Bahia, Rio Grande do Sul, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraíba e Minas Gerais, a ágata é um tipo de calcedônia, que, por sua vez, é uma variedade de quartzo, muito usada em joias e na decoração de interiores há mais de três mil anos. Caracterizada por suas cores, distribuídas em faixas paralelas, retas e/ou curvas, a ágata se forma em cavidades de rochas vulcânicas, como basaltos, e costuma conter na sua porção central cristais de outros minerais ou outras variedades do próprio quartzo. As cores mais comuns são vermelho, laranja, marrom, branco, cinza e cinza-azulado, mas a ágata pode ser colorida artificialmente, depois de a gema ter sido lapidada, processo que é usado desde o século XIX. O maior produtor do mundo é o Brasil, sendo que o Rio Grande do Sul produz essa gema desde 1830 e dele provêm os mais belos exemplares conhecidos e o maior volume de produção. 

Descrição: pedras joias